A Associação Portuguesa de Designers (APD) tem, como missão, contribuir para a criação de condições socioculturais e políticas que permitam que a profissão de designer seja executada com competência, criatividade e responsabilidade, com o devido reconhecimento dos empregadores e/ou usuários dos produtos desenvolvidos em particular e da sociedade em geral.

Visão estratégica

No presente, segunda metade da segunda década do séc. XXI, o design é internacionalmente reconhecido como área multidisciplinar do conhecimento que contribui ativamente para o bem-estar social, o aumento da rentabilidade das empresas e do seu potencial de exportação. A sua função está definitivamente associada à inovação e à criatividade, responsáveis pela sustentabilidade económica das nações mais desenvolvidas, como o atestam os programas de desenvolvimento estratégico promovidos pela Comissão da União Europeia na última década. 

O atraso relativo que o design apresenta em Portugal tem razões históricas que, não fazendo já qualquer sentido, ainda contaminam a nossa cultura, em geral, e empresarial, em particular. A economia e a sociedade portuguesas, na presente fase de desenvolvimento, carecem do recurso generalizado ao design pelo que importa contribuir para a eliminação das barreiras que ainda impedem a sua plena penetração nas empresas e outras organizações públicas e privadas.

 

A difusão da cultura do design é fundamental a todos os níveis: 

  • para a valorização do seu contributo económico para as empresas e a economia, 
  • para favorecer a sua capacidade de aumentar o bem-estar das populações e dos indivíduos em continuidade, 
  • para assegurar que cumpre a sua função de criação do novo, de renovação do existente e de invenção de futuro, 
  • para promover o seu potencial de preservação e proteção ambiental e, sobretudo, 
  • para impulsionar a sua permanente integração e geração de novo conhecimento proveniente de e em cooperação com as mais diversas disciplinas científicas e tecnológicas. 

O design é, por definição, multidisciplinar (o seu corpo de conhecimento integra conhecimentos de múltiplas áreas) e, por vocação, interdisciplinar (ao longo do projeto de design são chamados a participar/cooperar com e/ou integrar a equipa de design especialistas de outras áreas do conhecimento).

A difusão da cultura do design e a criação de condições socioeconómicas para que o design e os designers portugueses possam cumprir a sua função em plenitude surgem como as duas vertentes estratégicas do trabalho a desenvolver pela APD. 

Linhas de ação a implementar 

As linhas de ação consideram os macro e micro ambientes em que o design e os designers portugueses se movimentam. Assim, as linhas de ação consideram três vetores:

  • Sociedade em geral
  • Empresas/organizações
  • Mercados
  • Ensino e formação ao longo da vida

 

Pretende-se que a ação da Associação se desenvolva ao longo do tempo em extensão e profundidade, aos níveis nacional e internacional. Este movimento iniciar-se-á com os seguintes focos:

Vetor sociedade: Escolas Secundárias e instituições interface 

Ações: difusão da cultura do design e sua importância na sociedade; estimulo aos professores e formadores para detetarem novos talentos; estimulo à interação escolas/empresas/sociedade em torno do design, da inovação e da criatividade.

 

Vetor Empresas/organizações: Empresas e organizações de todos os setores de atividade, publicas e privadas

Ações: difusão da cultura empresarial de design focada nos objetivos da função de design, suas metodologias projetuais e gestão de projeto; informação e demonstração de resultados de mercado de produtos de design de empresas exportadoras nacionais; informação sobre designers, especializações e portfólios (informação a disponibilizar pelos profissionais e a disponibilizar no site a potenciais interessados no país e no exterior); informação sobre projetos, programas de apoio e outros mecanismos e incentivos ao design, inovação e criatividade.

 

Vetor mercados

Ações: difusão do design português no exterior; informação sobre procura de competências de design no mercado internacional; informação sobre feiras internacionais e suas exigências no que respeita ao design e suas especialidades.

 

Ensino e formação ao longo da vida

Ações: Disponibilização de informação sobre cursos e escolas; recolha e tratamento de informação sobre necessidades de formação e novas competências em design.